INGREDIENTES FUNDAMENTAIS DA APROVAÇÃO EM CONCURSOS PÚBLICOS

Fala pessoal! Como estão as coisas? Tudo em paz?

Eu já falei para vocês que eu estudei para concursos por muitos anos, muitos anos mesmo. Nesse tempo todo eu ocupei, sempre através de concurso público, os empregos públicos de Telefonista de 102 e Agente Comercial, da antiga TELERJ, e os cargos públicos de Auxiliar Judiciário/Técnico Judiciário e Analista Judiciário do TJRJ, Analista Judiciário da Área Judiciária do TRERJ, Procurador Federal/AGU, e sou Defensor Federal. Além disso eu passei para Técnico Judiciário do TRERJ, em 1995, Operador de Microcomputador, Comissário de Justiça e Oficial de Justiça do TJRJ, Fiscal de Posturas de Niterói e Agente de Portaria do INCA (fazemos concurso até para coveiro se pagar melhor do que o salário que ganhamos…srsrs). Mas antes disso, a minha 1ª aprovação foi para a Escola Técnica Federal de Química, em 1987! Isso mesmo! 1987. Você não era nem nascido. E dois anos antes foi meu 1º concurso público (reprovado no acesso ao ensino médio do Escola Técnica Juscelino Kubitschek, no bairro onde nasci – Jardim América, no subúrbio do RJ). Ou seja, considerando o 1º concurso e o ano da minha aprovação no cargo que hoje ocupo (2010) passaram 25 anos. E depois disso passei a preparar candidatos para concursos. Ou seja, o tema do bate papo de hoje é um tema que fico à vontade para tratar com vocês pois fez parte do meu dia-a-dia nos últimos 20 anos! Tanto as aprovações (para que trilhemos o caminho certo), quanto as reprovações (para que evitemos os erros que cometi nessa caminhada). Seguindo esses passos vocês não vão levar tanto tempo para chegar onde querem.

Em outra oportunidade trago alguns erros que cometi e que vocês devem evitar nessa caminhada!

Chamo a tua atenção para o fato de que essa postagem de hoje é um pouco mais longa que a de costume. Então, se você não tem mais tempo agora, nesse exato momento, deixe para ler depois, ok?!

Vamos ao que interessa: certamente você já ouviu algumas pessoas afirmarem que não existe fórmula mágica para aprovação em concursos – e essa é a verdade absoluta número 1 sobre preparação para concursos: não existe fórmula mágica para passar em concursos públicos! Por outro lado, também é verdade que todas as pessoas que passam seguem alguns passos, que vamos tratar aqui. Ou seja: não existe fórmula mágica, mas existe uma “receita de bolo” – se você seguir estará pronto em “tantos” minutos (no nosso caso, alguns meses… ou anos… cada um tem seu tempo, e o nosso tempo, nem sempre, é o tempo de Deus! Temos de trabalhar duro e saber esperar na disciplina! O que hoje você não consegue compreender, amanhã Deus te mostrará que ocorreu no momento certo! Confie nEle!).

Pois bem, o 1º ingrediente que eu quero ressaltar com vocês é: não pule etapas. Não queira encontrar atalhos! Eles efetivamente não existem! O processo de aprendizagem humana deve seguir algumas etapas (a esse processo eu chamo de Método CPR: Conhecimento, Prática e Repetição. Falaremos sobre isso em outras postagens, não hoje!)

Então, se você quer passar em concursos, não adianta somente conhecer as disciplinas, saber a matéria. É preciso que você a tenha “na flor da pele” pois você terá de responder em alguns poucos minutos – seja na prova objetiva, discursiva ou oral! Tem que estar “na ponta da língua”! E isso você só consegue obter quando você cumpre as etapas necessárias.

Defina um concurso/cargo para que você deseja e estude somente para ele. Aqui estou falando em foco no cargo como o 2º ingrediente. Um dos erros mais comuns é tentar se preparar para mais de um concurso ao mesmo tempo (área federal/área estadual, concurso que vai matemática, arquivologia, informática… e outros que não caem). O tema foco tem vários aspectos e eu já tive oportunidade de falar sobre isso aqui  em marcodominoni.com.br/index.php/2017/06/14/o-poder-do-foco-nos-concursos-publicos/

Definido isso, entregue-se! Mergulhe de cabeça nesse projeto. Muitas pessoas ficam meio que com medo de apostar tudo no projeto aprovação. Talvez seja o medo da frustração da reprovação… Mas saiba que assim como a reprovação tem uma grande probabilidade de ocorrer (vejam, não é juízo de possibilidade, mas sim de probabilidade…quase certeza, entende), a aprovação é certa! É só uma questão de tempo! Você vai passar! Acredite nisso e arrisque tudo no projeto! Eu também já falei sobre isso aqui no site marcodominoni.com.br/index.php/2017/06/07/tudo-ou-nada-aplicado-aos-concursos-publicos-estude-para-passar-sim/

Feito isso, monte o seu planejamento: selecione os dias e horários em que você irá se dedicar aos estudos. Estabeleça uma rotina e cumpra os horários. Não subestime nem superestime sua carga horária destinada aos estudos. Muitas pessoas dizem que temos de ter “X” horas de estudos por dia. Depois que passam dizem que estudavam 10, 12 horas por dia de estudos. Gente! Há fases na tua preparação que, por alguns dias, você vai estudar sim mais de 8 horas por dia (antes das provas orais, por exemplo. Você não faz mais nada e fica o tempo todo estudando). Mas daí a dizer que ordinariamente estudava 10, 12 horas por dia, e que isso é necessário à aprovação é de uma covardia sem fim. Se fosse assim eu, com minhas 3 horas diárias, não teria passado em nada na minha vida! Há quem diga que passei pois no TRE não se trabalha. Eu fui lotado numa zona eleitoral com competência em execução fiscal de multa eleitoral – com muito trabalho! E quando eu era Agente Comercial da TELERJ, em que trabalhava das 8 às 17 atendendo ao público em Nova Iguaçu e Duque de Caxias, na Baixada Fluminense (um público difícil pois o serviço prestado também era extremamente deficiente. Então eu tinha que ficar dando desculpas, etc. foi bom que treinei meu poder de convencimento…srsrs). Enfim, monte seu planejamento dentro da tua realidade e cumpra a proposta.

Em seguida, estabeleça metas e as cumpra, custe o que custar! Essas metas devem ser reais, adequadas e de acordo com a tua carga horária. Como fazer se eu não tenho um coach? Veja quantas páginas você lê por hora e calcule! E controle se você não está dormindo sobre os livros/cadernos/códigos. Se você lê 10 páginas por hora, e hoje, quarta-feira, está lendo 9, ok? Mas se está lendo 8, o teu rendimento está 20% menor, e você tem que acelerar! Levante, toma um café, lava o rosto e volta para cumprir a tua meta – e se hoje você tiver de dormir uma hora a menos para cumprir a meta, paciência! Perdeu uma (ou algumas) horas de sono! E sabe por quê? Pois o assunto é sério! Você se propôs a estudar para alcançar os teus objetivos. Então, mesmo que não haja nenhuma consequência externa pelo fato de você não cumprir a meta proposta, você se colocou nessa condição e tem que cumprir. Porra! Passar em concurso não é brincadeira, e nem é para fracos! Tem que ter coração! Metas não acontecem naturalmente! Metas são arrancadas! Vou fazer uma comparação: meta é mandioca/aipim, não é manga! Sabe aquele pé de manga? É só esperar que a manga vai madurar e cair. Não precisa fazer nada! Já a mandioca, não: se você não meter a mão com toda a tua vontade e arrancar, desenterrar, você não vai colher mandioca não, meu irmão! Assim são as metas: mete a mão com vontade e cumpre! Meta não é manga, é mandioca! Custe o que custar!

Para esse outro ingrediente eu vou utilizar um nome da moda: resiliência! Eu já falei antes que a reprovação é quase certa! E devemos aprender com as reprovações. A preparação para concursos, quando estamos nessa caminhada sozinhos, é um processo de tentativa e erro! No começo vêm as reprovações retumbantes: poxa, não passei em nada (nas provas do CESPE, em que uma errada elimina uma certa, o cara sai devendo para o próximo concurso…rsrs). Nesse caso, retorne para o “C”, do método CPR! Tudo novamente… ainda não conhece, não aprendeu. Depois de algum tempo vem a reprovação em algumas disciplinas e a aprovação em outras. “C” para algumas disciplinas ou alguns tópicos das disciplinas, “P” para outras e “R” para as demais, de modo a manter o que está bom, e colmatar as lacunas nas que ainda não chegamos no ponto da aprovação. Mais adiante nesse processo, passamos em todas, mas ficamos na nota de corte: tem de intensificar o “R” que na próxima vai! Isso é ser resiliente! Resiliente para concursando nutella, por que um concursando raiz fala: vou corrigir os rumos e na próxima eu tô dentro. Corrija os rumos e persista, raiz! Se desistir nas primeiras frustrações, nas primeiras reprovações, não vai cumprir todas as etapas do processo! Já falei que não é para fracos! E aqui eu não estou falando em auto-ajuda barata não, gente! Quem fala que isso é auto-ajuda barata não viveu o processo e não pode falar com conhecimento de causa…me desculpe! Eu tenho mais de 20 anos vivendo isso! Vai por mim: pague o preço e passe no concurso desejado!

Mantenha-se inscrito! Muitas pessoas me perguntam se devem fazer esse ou aquele concurso. Eu sempre digo: faça! O que você não pode é tentar se preparar para mais de um cargo/estudar para mais de um concurso, mas fazer provas é fundamental! Então, mantenha-se inscrito! Mesmo naqueles momentos iniciais da preparação. Pensamento positivo/mentalidade vencedora/mindset correta: “eu estou investindo na derrota para alcançar a vitória mais na frente! ” Percebam: você vai fazer aquele concurso mesmo sabendo que você muito provavelmente vai ficar reprovado. Mas sabe que essa reprovação faz parte do processo, e não pode te deixar para baixo! É para você simular as condições reais da prova. Por mais que você treine incessantemente, treino é treino, jogo é jogo. A adrenalina é diferente, e você vai fazer tantas provas que no dia “D” o teu coração não vai alterar os batimentos, e você vai passar com tranquilidade!

Estude mais as disciplinas que você menos gosta e que sabe menos. A lei do menor esforço é um movimento natural do nosso corpo. Tendemos a estudar as matérias que mais gostamos e acabamos nos tornando bons nessas disciplinas, e ficamos deficientes naquelas que menos gostamos. O momento é de partir para o sacrifício, galera! Passa em concursos que vai bem em todas as disciplinas, aquele que é um bom generalista – não adianta saber tudo de constitucional e administrativo, e nada de civil, português ou outra disciplina do edital! Tem que ficar bom em todas (ou quase todas), e excelente naquelas em que você teve de superar uma dificuldade a mais! Nessa hora vem a aprovação!

Gente, poderíamos conversar mais sobre o tema, mas a postagem já está ficando grande demais, e vou concluir por aqui. Em breve retomamos o assunto…

 

Vamos em frente e contem comigo nessa caminhada.

PS.: se essas informações fazem sentido para você…se te ajudaram de alguma forma, compartilhe, marque aquele amigo que está na batalha com você. Vamos criar uma corrente do bem, ajudando ao máximo de pessoas!

Me adicione no Insta (dominoni.marco) e curta minha página no face (marcodominoni)

 

Dominoni.